Papillon Aromas > Vinhos > Enoturismo, três regiões de destaque no Brasil

 

1- Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul

Tradição e tecnologia convivem na primeira região do Brasil e mereceram a Indicação de Procedência (IP). O Vale dos Vinhedos no Rio Grande do Sul, que é rico em histórias relacionadas ao vinho, remonta ao século 19. É em Bento Gonçalves, a 120 km de Porto Alegre, que se inicia a rota mais conhecida do Enoturismo no Brasil: o Vale dos Vinhedos.

O passeio em sua opção mais interessante é a bordo da Maria Fumaça, saindo de Bento Gonçalves e percorrendo 23 Km, cruzando por Garibaldi e terminando em Carlos Barbosa. A paisagem da Serra com seus parreirais é percorrida por um caminho sinuoso, marcado pelo clima temperado, o que o torna bastante agradável.

O pitoresco itinerário oferece, além das visitas e degustações nas inúmeras vinícolas, um saboroso encontro com a gastronomia e a arquitetura típica da região. Em Garibaldi, a atração são os espumantes de qualidade internacional, símbolo do município, que possui seu próprio roteiro turístico no interior e no centro da cidade. Destaca-se a Rota dos Espumantes, nova opção de lazer local.

Recebendo mais de 200 mil visitantes ao ano, o Vale dos Vinhedos oferece uma infraestrutura turística com boas estradas, indicações e aeroportos nas imediações, desenvolvendo atividades dinâmicas na elaboração de atrativos, que colocam a região em destaque e liderança na atividade do Enoturismo no Brasil.

 

2- Planalto Catarinense

A região mais fria do Brasil, onde a neve é quase uma certeza, é também conhecida pelos vinhos finos de altitude. Variedades de uvas aclimatizadas na altitude de 1 200 metros trouxeram uma boa perspectiva para fabricação de vinhos de qualidade e com características bem específicas. Temperaturas baixas, mais amplitude térmica de 15 graus favorecem o cultivo de uvas mais estruturadas no planalto.

Área rural com fazendas cortadas por campos, florestas e grandes cânions, a região dos vinhos do Planalto Catarinense situa-se entre São Joaquim, Bom Retiro e Lages, oferecendo instalações para hospedagem e incrementando o turismo rural com bons resultados.  Essas condições naturais adequadas e o desenvolvimento da infraestrutura turística dos municípios da região cria uma perspectiva promissora.

Fixar e especializar a população jovem, gerando emprego e novas oportunidades de empreendimentos, esse é o resultado esperado pela comunidade que tem como atividade principal o desenvolvimento da vinicultura no Estado.  Investir na implementação de novas tecnologias e atividades econômicas que valorizem as características locais, preservando os recursos naturais e humanos disponíveis e promovendo o bem-estar social.

 

3- Vinhos do Vale do São Francisco

Vinho no sertão, uma ideia que deu certo, em uma região de caatinga em Pernambuco. São produzidos aproximadamente 8 milhões de litros da bebida ao ano  Ao contrário do clima frio do sul do Brasil, o nordeste é sabidamente quente, com muito sol, com raras chuvas. Justamente em função disso, leva uma vantagem perante as outras regiões no cultivo de uvas.

São duas safras ao ano, o que dobra a produção, quando comparada aos concorrentes do sul. A falta de frio dificulta a fixação dos componentes da uva no nordeste, gerando assim vinhos jovens, e faz com que a uva amadureça totalmente, influenciando no nível de açúcar e com isso, criando uma série de características singulares.  A principal uva utilizada na região é a Syrah, mas podemos encontrar também entre as tintas, Aragonês, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon e Touriga Nacional, e entre as brancas: Chenin Blanc e Moscato Canelli.

Podemos constatar que já não existe tanto preconceito em relação à qualidade dos vinhos do Vale do São Francisco, fruto do trabalho metódico e criterioso no aperfeiçoamento do produto, o que resultou na conquista de aproxidamente 15% do mercado brasileiro. Os vinhos com uvas moscato, com maior concentração de açúcar, possibilitam a produção de espumantes doces com aromas mais perto do gosto nacional, sugerindo um novo conceito de “vinho tropical”.

O Enoturismo tem crescido, o que resultou no desenvolvimento das localidades envolvidas, incrementando a atividade comercial e a expansão do mercado de trabalho.  Passeios de barco no Rio São Francisco são associados a roteiros gastronômicos e visitas às vinícolas para degustação.  As vinícolas do lugar recebem milhares de visitantes por mês, resultado de pacotes turísticos que incluem visita à barragem Sobradinho, banho de rio, almoço e música ao vivo a bordo de um barco.